Curso em Vitória-ES entre 5 e 8 de julho de 2017, na UFES e no Mucane – Museu Capixaba do Negro. Projeto Cápsula – curadoria de Clara Sampaio e Gabriel Menotti

Atividade aberta: Escuta-fala com Graziela Kunsch
A vontade de compartilhar experiências com quem tiver interesse em me escutar será igual à vontade de ouvir o que as pessoas quiserem me dizer

Em arte contemporânea, especialmente nas práticas de inclinação investigativa (de um determinado contexto, de um determinado grupo) ou de inclinação pedagógica, muito se fala na importância de “escutar”. Mas como se dá uma escuta atenta? Como ouvir o silêncio? Como silenciar, antes de falar? Como começa um diálogo verdadeiro?

Workshop
Autoformação de público e uma escola desde baixo

No primeiro momento do workshop, Graziela irá estimular uma discussão e uma reflexão sobre práticas artísticas e educativas que buscam fomentar uma atuação pelo espectador, que deixa de ser participador para se tornar propositor. Além de sua própria experiência como responsável pela Formação de público no projeto Vila Itororó Canteiro Aberto, em São Paulo, serão abordados estudos de observação da resposta dos públicos à mediação nas instituições de arte, como a pesquisa Diário do busão, de Diogo de Moraes. No segundo momento, a partir de imagens de experiências em escolas ocupadas por estudantes, de projetos de escolas idealizados por artistas e dos desejos do próprio grupo da oficina, será proposto um exercício prático coletivo, de imaginação e reconfiguração espacial de lugares de aprendizagem.

Sobre a convidada
Graziela Kunsch (São Paulo, 1979) é artista, educadora, curadora e editora. Sua prática implica um alargamento do chamado “público da arte”, com cruzamentos entre esferas públicas e agentes sociais. Participou de duas edições da Bienal de São Paulo (29ª Bienal, 2010 e 31ª Bienal, 2014) e neste momento participa de Osso – exposição-apelo ao amplo direito de defesa de Rafael Braga (Instituto Tomie Ohtake, 2017). É doutora pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP) e editora da revista Urbânia, cujo quinto número aborda práticas de educação democrática e de mediação em arte (ver naocaber.org/revista-urbania-5).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *